Pesquisar

Redes sociais


Definido reajuste médio de 10,5% para o Piso Estadual em 2022
12/01/2022
Fechado o acordo na segunda rodada de negociação, assinatura da Minuta de Acordo ficou marcada para esta quinta-feira, 13/01     A segunda rodada de negociação entre representantes dos trabalhadores e empresários catarinenses, realizada nesta terça, 12/01, terminou em acordo para o reajuste das 4 faixas do Piso Salarial Estadual em 10,5% em média. Os valores ficaram assim estabelecidos: 1ª faixa R$ 1.416,00; 2ª faixa R$ 1.468,00; 3ª faixa R$ 1.551,00 e; 4ª faixa R$ 1.621,00. A assinatura da Minuta de Acordo será oficializada amanhã, 13/01, às 11h, na sede da FIESC em Florianópolis. Este é o segundo ano que o acordo fecha já na segunda rodada de negociação. O coordenador sindical do DIEESE e diretor da FECESC, Ivo Castanheira, acredita que este é um sinal de amadurecimento entre os negociadores. “Estamos no 12º ano de negociação para atualizar os valores do Piso. Nestes anos todos, nosso objetivo sempre foi a valorização, com ganho real para os trabalhadores. Este ano não foi diferente, garantimos a reposição com base no INPC e mais aumento real, apesar de termos ficado aquém do nosso desejado. Foi o acordo possível e agora é garantirmos celeridade junto ao governo do estado e à Assembleia Legislativa”, afirmou Castanheira. Todos os anos, após o acordo firmado entre trabalhadores e empresários, a minuta é entregue ao governador do estado, que encaminha um Projeto de Lei à ALESC, onde o trâmite passa por três Comissões legislativas e é votado em Plenário....
Boas Festas! Nos encontraremos na luta no ano que vem!
21/12/2021
    Que todas as pessoas possam ter comida na mesa, saúde, amor da família e respeito à sua religião neste período de festas. Que o Natal seja símbolo de fraternidade entre todos e todas e que o ano que nasce venha com a energia necessária para vermos brotar a mudança para um mundo melhor! ___________________ AVISO: No período de 23/12/21 a 02/01/22 será realizado recesso na FECESC. A partir do dia 3 de janeiro de 2022 as atividades voltam ao normal, sempre no horário entre 14h e...
Realizada primeira rodada de negociações para definir o reajuste do Piso Salarial Estadual em 2022
14/12/2021
Com participação numerosa de representantes dos trabalhadores e também do setor empresarial, a primeira rodada de negociação não contou com contraproposta apresentada à mesa. Esta primeira reunião, como normalmente ocorre quando o processo negocial se inicia, serviu para que os dois lados apresentassem sua visão da conjuntura e o porquê de defenderem maior ou menor reajuste no Piso Salarial. O coordenador sindical do Dieese Ivo Castanheira, que coordena as negociações do lado dos trabalhadores, assinalou que o Piso em Santa Catarina tem valores abaixo do praticado no Paraná e até mesmo do Rio Grande do Sul, onde está congelado há dois anos. A reivindicação dos trabalhadores para reajuste em 2022 é de 100% do INPC acumulado em 2021 (o índice será divulgado no início de janeiro de 2022), mais 5% de aumento real. O supervisor técnico do DIEESE José Álvaro Cardoso assinalou que o Piso, atualmente, não apresenta uma diferença muito grande em relação ao Salário Mínimo nacional, sendo que a faixa menor apresenta valores 16% maiores que este. Ele lembrou, também, que o salário mínimo ideal para a população brasileira, divulgado pelo Dieese esta semana, é de R$ 5.969,17 – o cálculo considera a remuneração mínima para uma família com dois adultos e duas crianças.  Para o economista, não existe outra saída para nosso estado e para o Brasil que não seja ampliar o mercado interno: “Esta mesa não vai resolver sozinha essa situação, mas cabe a nós definirmos uma política de valorização do Piso que fará, sim, a sua parte”, afirmou. A segunda rodada ficou marcada para o dia 12 de janeiro, às 13h30, na sede da Fiesc. A expectativa dos representantes dos trabalhadores é de uma contraproposta patronal com aumento real. “Este é o décimo segundo ano em que negociamos o reajuste para o Piso e, desde sempre, nosso objetivo é recuperação de perdas e ganho real, não abriremos mão disso”, declarou Ivo castanheira, que representa o Dieese nas negociações e, também, a Federação dos Comerciários –...
Gaúchos vêm a Santa Catarina conhecer a experiência de negociação para reajuste do Piso Salarial Estadual
08/12/2021
  Uma comissão gaúcha, capitaneada pelo deputado estadual Luiz Fernando Mainardi (PT), esteve em Florianópolis nesta quarta-feira, 8/12, para conhecer a experiência catarinense na negociação do Piso Salarial Estadual. O coordenador sindical do Dieese-SC e diretor da Fecesc, Ivo Castanheira, dirigentes de Centrais Sindicais e Federações de trabalhadores catarinenses receberam os visitantes e estiveram com eles na sede da Fiesc, no Itacorubi, para contar como se dá a experiência única de negociação que ocorre em nosso estado. Com o deputado Mainardi vieram o secretário de Administração e Finanças da CUT-RS, Antonio Güntzel, e a secretária de Formação da CUT-RS e presidente do Conselho Estadual do Trabalho, Emprego e Renda (CTER-RS), Maria Helena de Oliveira. O Piso Salarial regional do Rio Grande do Sul está congelado há três anos e a Assembleia Legislativa de lá instituiu uma Subcomissão para tratar especificamente do assunto. O deputado Mainardi é o relator desta Subcomissão e programou viagem para conhecer a experiência de Santa Catarina e do Paraná, onde estará no dia 9/12. “Viemos aqui para ouvir vocês e aprender com a experiência de vocês” afirmou. “Queremos entender como se dá a construção de parâmetros para chegar a um acordo?”, questionou Mainardi e ouviu do supervisor técnico do Dieese-SC, José Álvaro Cardoso, que é um processo de correlação de forças. De acordo com o economista, o piso catarinense estás longe do ideal e muito abaixo do Salário Mínimo necessário calculado pelo Dieese: “Nós não nos iludimos, sabemos que os valores do Piso Salarial Estadual servem para repor a capacidade do trabalhador de comprar comida”, assinalou. O coordenador sindical do Dieese Ivo Castanheira ressaltou o fato do Piso regional catarinense não impactar somente no ganho dos milhares de trabalhadores das categorias que recebem salários mais baixos. “O Piso Salarial Estadual se tornou uma referência nas negociações das categorias que possuem negociação própria e ele é respeitado em todo o estado, a cada janeiro, quando estamos encaminhando ou fechando as negociações, é grande a demanda dos escritórios de contabilidade e empresas que querem saber o valor do reajuste naquele ano, para aplicá-lo”, lembrou. O Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro foram os dois primeiros estados brasileiros a implementarem o Piso Salarial regional, em 2001. O Paraná instituiu seu Piso em 2006 e no ano seguinte foi a vez do estado de São Paulo. Santa Catarina foi o último dos cinco estados brasileiros que têm Piso a instituir o seu, através da Lei Complementar Lei Complementar nº 459, de 2009, que passou a vigorar a partir de janeiro de 2010. Das cinco experiências, a catarinense é a única que prevê mesa de negociação entre trabalhadores e empresários e onde o governo só entra depois...
Trabalhadores reivindicam recuperação da inflação e aumento real para o Piso Estadual em 2022
23/11/2021
  Primeira rodada de negociações foi marcada para o dia 14 de dezembro, na FIESC Nesta terça-feira, 23 de novembro, representantes das Federações, Centrais Sindicais e DIEESE-SC estiveram na sede da FIESC, em Florianópolis, para entregar ao presidente da entidade, Mario Cezar de Aguiar, a pauta de reivindicação dos trabalhadores catarinenses. O documento oficial entregue reivindica a correção do Piso em 100% do INPC-IBGE acumulado em 2021, acrescido de aumento real de 5%. Durante o encontro foi marcado o dia 14 de dezembro, uma terça-feira, às 13h30, para realização da primeira rodada de negociações. O coordenador sindical do DIEESE-SC e diretor da FECESC Ivo Castanheira lembrou que é responsabilidade dos dois lados da mesa chegarem a um acordo: “Estamos com uma inflação na casa dos 10%, ou até mais, no acumulado dos 12 meses; enquanto isso, um levantamento do DIEESE aponta que a alimentação subiu mais de 20%, o aluguel mais de 30%. Considerando isso, nosso pedido inicial de 100% do INPC mais 5% de aumento real implicaria numa atualização de valores que nem chega a acompanhar todas as perdas.”   Sobre o Piso Criado pela Lei Complementar Nº 459, de 30/09/2009, o Piso Salarial Estadual foi instituído em 2010 e, desde 2011, negociações reúnem representantes de trabalhadores e de empresários para acordarem sobre o índice de reajuste anual a ser aplicado. Santa Catarina é o único estado brasileiro, entre os cinco que instituíram Piso Salarial regional, onde o reajuste se define através deste tipo de negociações. Os valores do Piso catarinense são divididos em faixas salariais, abrangendo diferentes setores profissionais. Em 2021 as quatro faixas são: primeira faixa, R$ 1.281,00; segunda, R$ 1.329,00; terceira, R$ 1.404,00 e quarta, R$...
Deputado Adrianinho visitou FECESC e Sindicatos da categoria em Florianópolis
09/11/2021
  Na manhã desta terça-feira, 9 de novembro, o deputado estadual Adriano De Martini esteve na sede da FECESC, onde conversou com os diretores da Executiva Francisco Alano, Rosemeri Miranda Prado e Nadir Cardozo dos Santos e com os diretores do SEEF Rogério Manoel Correa e Moacir Erosalte Padilha. “Em primeiro lugar, fomos fazer um agradecimento por todo o empenho e toda luta que a Federação e os Sindicatos têm feito em prol dos trabalhadores no comércio e serviços e em prol de toda a classe trabalhadora e, em segundo, partilhar um pouco de todo o trabalho que temos construído, de forma coletiva, nestes 50 dias na Assembleia Legislativa” resumiu o deputado. Adrianinho, como é conhecido na categoria, foi eleito suplente pelo Partido dos Trabalhadores em 2018 e agora, em 2021, assumiu como deputado num período de dois meses, cumprindo rodízio proposto pelo deputado Padre Pedro Baldissera. Assim, foi o comerciário a ocupar pela primeira vez uma cadeira no Legislativo catarinense e um dos poucos no país. Adriano De Martini é comerciário e presidente do Sindicato da categoria em Xanxerê, Oeste de Santa Catarina. Para o presidente da FECESC, Francisco Alano, a experiência de ter Adrianinho por dois meses na ALESC, levando para a tribuna temas como o racismo presente nas contratações do comércio e serviços, ou sobre o quanto a categoria foi exposta a riscos na pandemia de covid-19, foi um exemplo do que significa a representatividade. “Eleger um trabalhador e, especificamente, eleger um companheiro do setor do comércio e serviços, nos faz existir no debate político, com pautas colocadas para criar uma legislação que nos dê qualidade de vida e de trabalho. Esta experiência com o Adrianinho não pode parar por aqui, precisamos multiplicar esta presença a partir da eleição de 2022”, afirmou Alano.   Sindicato dos Comerciários de Florianópolis Também no dia de hoje, o deputado Adrianinho esteve na sede do Sindicato dos Comerciários de Florianópolis para um “Momento de ouvir as demandas, partilhar o trabalho construído e colocar o mandato a serviço da classe trabalhadora”, de acordo com o...
30 de outubro – Dia do Comerciário
26/10/2021
  No dia 30 de outubro de 1932, mais de 5 mil trabalhadores do comércio, em marcha, garantiram o direito à jornada diária de 8 horas e ao descanso semanal remunerado. No dia 30 de outubro de 2021, se faz necessário lembrar que são os trabalhadores, organizados e unidos, que precisam conquistar e defender seus direitos.   Leia o breve histórico do Dia do Comerciário escrito por Domingos Braga Mota para o portal da CUT: Outubro é o nosso mês, mês em que comemoramos as nossas grandes e gloriosas conquistas do passado e do presente, graças à determinação e disposição de mulheres e homens que lutaram e lutam na defesa da nossa classe. A situação dos comerciários no Brasil durante este período beirava a condições de escravidão. Não se trata da mesma escravidão, de senzalas e navios negreiros, que foi legalmente extinta no país em 13 de maio de 1888. Mas uma outra, que também rouba a dignidade do ser humano, transformando-o em instrumento descartável de trabalho em estabelecimentos comerciais daquela época, mas que ainda perdura até os dias atuais. A nova escravidão atua de forma sutil e moderna, através da técnica e do conceito da subjetividade onde se apropria da alma do pobre trabalhador, mas não deixa de ser mais ou menos cruel. É necessário que os jovens comerciários de hoje entendam que as nossas conquistas, nossos direitos e até mesmo nossos deveres não nos foram dados de graça, foram conquistados por todos com muita luta e sacrifício. A história dos Comerciários começa a ser construída em 1908 por Turíbio da Rosa Garcia e alguns outros grandes companheiros, que criaram a União dos Empregados no Comércio do Rio de Janeiro. Naqueles duros anos, a exploração e os abusos praticados pelas empresas retratavam condições de trabalho praticamente escravo. Muitos chegavam a dormir no emprego, sem tempo para voltar para casa após jornadas de mais de 16 horas diárias. Foi onde os Caixeiros, Escriturários, Guarda Livros e outros uniram-se para se defenderem dos abusos e da escravização a que eram submetidos. Humberto de Campos em suas Memórias transcreveu: “Era meia noite, no alto de uma escada arrumava as prateleiras da Transmontana – Mercearia de Secos e Molhados. O murmúrio da rua chegava até os meus ouvidos, quando espocados os foguetes eu parei por um momento para ouvir aquela cantoria. Era a VIRADA DO SÉCULO – 1900!! O português dono da Mercearia gritava lá de baixo: Oi ! menino porque estás parado? Prossiga”. Humberto de Campos era o menino que o português chamava, a Mercearia de Secos e Molhados é o que hoje chamamos de SUPERMERCADO. O que mudou de lá pra cá? Não muita coisa. Então, a esses homens que...
NOTA DE PESAR por Antônio de Almeida Júnior
21/10/2021
  Nós, dirigentes da FECESC e dos Sindicatos filiados, compartilhamos com os companheiros da CONTRACS/CUT o profundo pesar pelo falecimento de nosso companheiro Antônio de Almeida Júnior. A família, amigos, o movimento social e principalmente o movimento sindical dos trabalhadores e trabalhadoras do comércio e serviços perdemos um guerreiro incansável na luta em defesa dos direitos trabalhistas e sociais. Durante seus dois mandatos como Secretário Geral da CONTRACS, esteve várias vezes em Santa Catarina, como mais uma força nas nossas lutas. Fica conosco a lembrança e o orgulho de termos estado lado a lado nas mesmas trincheiras, na luta pela construção de um mundo melhor. ANTÔNIO DE ALMEIDA JÚNIOR sempre presente! FECESC E SINDICATOS...
NOTA PÚBLICA DA FECESC E SINDICATOS FILIADOS: Discriminação nunca! – Somos trabalhadores diversos vendendo nossa força de trabalho com dignidade
20/10/2021
  Não é novidade para ninguém que algumas empresas utilizam de critérios como aparência, orientação sexual ou cor da pele em suas contratações, estabelecendo um padrão, com uma política discriminatória e de exclusão na escolha de pessoas. Recentemente, o tema ganhou destaque nas redes sociais, com divulgação do que seria o vazamento de um áudio, inicialmente sem citar a empresa e a pessoa de origem. Logo em seguida, passaram a surgir postagens atribuindo a origem à uma funcionária do RH da Rede de Farmácias São João, empresa gaúcha. A empresa divulgou nota negando a acusação. Na gravação, a mulher recomenda que as lojas contratem trabalhadores “bonitos”, já que “feio ou bonito, a gente vai pagar o mesmo preço né?”.  Na mensagem, ela pede que sejam evitadas contratações de pessoas tatuadas, que usem piercings, gordas ou LGBTQIA+. Fica claro e evidente, ali, a discriminação que sempre existiu no Brasil e que nos tempos atuais se torna ainda mais manifesta. No setor de comércio, o padrão se torna evidente quando nos vemos atendidos nos balcões por uma grande maioria que se encaixa nos padrões determinados por tais preconceitos. A atitude, de forma disfarçada ou assim, escancarada como no áudio divulgado, é da mesma forma deplorável e inaceitável. Não podemos nos calar diante desse debate, é preciso combater discursos e práticas que diferenciem as pessoas e normalizem o que não é normal. A FECESC e os Sindicatos Filiados manifestam sua indignação diante de qualquer empresa que utilize critérios discriminatórios, de qualquer natureza, na contratação de trabalhadores/as e, neste caso específico do áudio vazado, apoia a investigação aberta pelo Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT-RS), para determinar a verdadeira origem da gravação e punir os responsáveis. Somos seres humanos vendendo nossa força de trabalho e temos todos/as/es, sem distinção, o direito de fazê-lo dignamente. Discriminação se combate continuamente, promovendo, no discurso e nas ações, atos de respeito à igualdade de tratamento, independente das diferenças pessoais. Ações positivas, como contratações que evidenciem a diversidade, devem sim ser promovidas e valorizadas.   DIRETORIA DA FECESC E SINDICATOS...
Todo apoio aos trabalhadores da COMCAP em greve
22/09/2021
  A diretoria da FECESC e dos 26 Sindicatos filiados de todo o estado manifestam total apoio aos trabalhadores e trabalhadoras da COMCAP, agredidos de forma violenta pela polícia militar e pela guarda municipal durante movimento que realizavam em defesa da empresa. A COMCAP é uma autarquia, responsável, há 40 anos, pela limpeza dos espaços públicos de Florianópolis e enfrenta, de tempos em tempos, tentativas de privatização por parte dos administradores municipais. Esta não é a primeira tentativa do atual prefeito, Gean Loureiro (DEM), que com a terceirização quer abrir caminho para vender a empresa. Parece que, a cada tentativa, o prefeito se supera nos ataques e na dose de violência contra os trabalhadores e trabalhadoras municipais. A FECESC e os Sindicatos filiados se unem na defesa da COMCAP 100% pública e eficiente como tem se mostrado, sendo inclusive exemplo de como as empresas públicas podem prestar serviços de qualidade e sem promover a precarização do trabalho. A greve dos servidores da COMCAP é legítima e consciente da defesa de um patrimônio que é público. Nossa solidariedade na luta dos companheiros da COMCAP!   FECESC e Sindicatos...

Siga-nos

Sindicatos filiados