Pesquisar

Redes sociais


FECESC faz curso de leitura e análise crítica da mídia nos dias 20 e 21 de outubro

14/10/2008
Dando continuidade ao plano de formação para diretores e sindicatos da FECESC, será realizado nos dias 20 e 21 de outubro o Curso de Formação em Leitura e Análise Crítica da Mídia. O objetivo do curso é sensibilizar e instrumentalizar os participantes para uma compreensão mais crítica e qualificada dos meios de comunicação e contribuir para a criação de iniciativas próprias na área. A etapa anterior do programa de formação contou com a presença do jornalista Jorge Duarte, que falou durante um dia sobre as formas e as necessidades de se relacionar com os meios de comunicação. O tema foi de grande interesse para o público de dirigentes sindicais que diariamente são fonte da imprensa em suas cidades. Para um próximo momento foi lançada a idéia de um curso de media training para que o grupo simule situações reais diante de jornalistas como debates e...

Regras do BC para liberação do compulsório estão no Diário Oficial

14/10/2008
Estão na edição extra do Diário Oficial da União, publicada hoje (14), as regras do Banco Central para liberação do compulsório. Com a medida, o Banco Central injeta até R$ 100 bilhões no mercado. As Circulares 3409, 3410, 3411 e 3412 foram divulgadas ontem pelo banco. As normas trazem, entre outras medidas, a dedução do valor de aquisição de moeda estrangeira no cumprimento de exigibilidade de recolhimento compulsório sobre depósitos interfinanceiros. Além disso, o BC determinou que as operações realizadas para compra de carteiras de empréstimos de bancos em dificuldade tenham custo equivalente à correção pela taxa básica de juros (Selic) mais...
Assembléia debate Piso Estadual em audiência pública
14/10/2008
A Assembléia Legislativa realizou audiência pública para discutir o projeto do Piso Estadual de Salário na quinta-feira (9) no Plenarinho, que esteve lotado de trabalhadores de diversos segmentos e lideranças sindicais. No encontro foi decidido que as lideranças sindicais continuarão pressionando para que o governo do estado encaminhe o projeto de lei o mais rápido possível, darão continuidade às mobilizações na AL e voltarão a conversar com o governador no dia 3 de novembro. O proponente da audiência, deputado Pedro Uczai (PT), foi autor de um projeto de lei que instituía o piso salarial regional, porém teve que declinar, já que a proposição deve vir do Executivo. O parlamentar defende que a proposição do piso salarial catarinense seja apresentada à Casa ainda neste ano. "Este encontro é mais um passo dessa caminhada que vai sair vitoriosa. O governador tem que se comprometer com alguém e deve ser com os sindicatos dos trabalhadores, porque não estamos discutindo o teto, como ocorre com o Judiciário e o Executivo. Queremos instituir o piso", emendou.   Ao representar o governo, a secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Dalva de Luca Dias, enfatizou que é favorável à instituição do piso. "Acredito que possamos trabalhar uma proposta negociada. Já fizemos uma reunião com os trabalhadores e conseguimos consensuar a nossa proposta. Agora pretendemos ir à exaustão na negociação com os sindicatos empregadores", informou. O governo já definiu alguns encaminhamentos. Marcou uma reunião preliminar com todos os representantes do setor produtivo. "Estamos melhores que ontem porque avançamos mais um pouco", finalizou.   O deputado Décio Góes frisou que a criação do salário mínimo regional é uma oportunidade de acelerar a economia e melhorar as condições de vida dos trabalhadores, portanto é uma iniciativa justa e oportuna. "O estado deve isso para os trabalhadores catarinenses", disse. O deputado Dirceu Dresch lembrou que a experiência recente do Brasil comprova que o aumento do poder de compra dos trabalhadores impulsiona o crescimento da economia. Para ele, a criação do salário mínimo regional traz uma perspectiva de contribuir com o desenvolvimento do Estado e melhorar a distribuição de renda. "Isso depende apenas de um projeto do Executivo. E o Estado precisa tomar posição em defesa dos interesses dos trabalhadores", cobrou.   Com informações das assessorias de imprensa da Bancada do PT e da...
PISO ESTADUAL: Governador vai reunir trabalhadores e empresários para debater projeto
09/10/2008
Representantes das cinco Centrais Sindicais, de federações e do Dieese se reuniram ontem, dia 7, com o governador Luiz Henrique e a Secretária de Assistência Social, Trabalho e Habitação, Dalva de Luca Dias, para tratar do projeto do Piso Estadual de Salários. Ivo Castanheira, Diretor Sindical do Dieese e Diretor da Fecesc, expôs o projeto ao governador e falou dos benefícios que o salário mínimo estadual pode trazer aos trabalhadores e à economia dos estado. O governador afirmou que quer encaminhar um projeto de consenso entre os representantes dos trabalhadores e dos empresários. Para isso, definiu uma próxima reunião para o dia 3 de novembro com a presença de representantes da Fiesc, Fampesc, Fecomércio e Federação da Agricultura, além das centrais e do Dieese. Antes disso, a Secretária Dalva Dias ficou com a tarefa de realizar reuniões de trabalho entre as partes para chegar ao novo encontro com o governador com um esboço das posições e de uma possível indicação de acordo.   O que é o Piso?   O Piso Estadual de Salário é a implantação de um salário mínimo para Santa Catarina nos moldes já implantados em outros estados. Entre os estados do Sul e Sudeste, SC é o único que ainda não implantou o salário regional. A proposta define em R$ 524 o salário mínimo estadual, que seria maior do que os atuais R$ 415 do salário mínimo nacional. A avaliação do Dieese, do Movimento Sindical e de parlamentares favoráveis ao projeto é que a economia do estado tem condição de arcar com esta elevação do salário regional por ser uma das mais pujantes do país, crescendo mais do que a média nacional. As vendas do comércio e a produção da indústria no estado têm tido constantes altas, também atingindo índices acima da média do país. Além disso, a economia também ganha com o novo salário já que recebe mais dinheiro através do consumo. O Estado também vai arrecadar mais.   O salário mínimo estadual vai principalmente repassar aos trabalhadores um pouco dos ganhos que a economia e os setores produtivos têm tido com a boa fase do país e do estado. O salário regional vai beneficiar diretamente os setores que não tem um piso definido para sua categoria nem tem representação sindical. Indiretamente contribui para as negociações salariais na medida em que funciona como um índice de comparação ainda que em muitos casos seja um valor abaixo do negociado. A avaliação das centrais sindicais é que o Piso Estadual de Salário é também mais uma parte da política de valorização do salário mínimo nacional, que é um exemplo de como pode ser um instrumento de crescimento da participação dos trabalhadores na economia e de distribuição...

Siga-nos

Sindicatos filiados